Cabo Verde - Cidade da Praia/ Associação Pilorinhu - Set 2016




Engraçado que a decisão de viajar e a compra do bilhete para a Cabo Verde - Cidade da Praia - foi tão em cima da hora que nem tive tempo para processar horários. Parti de Lisboa e cheguei sem qualquer atraso.
Sorri com o prazer de sentir logo à saída do avião, 28ºC e uma humidade de deixar o corpo colado! Sim, tinha chegado!
Pensei que aterrava à meia-noite, e estava apreensiva. Queria  avisar a minha cicerone (prima Mariana) que afinal, chegara 2h mais cedo. Mas não havia razão para me afligir. O tempo que demorei a conseguir o visto, repôs praticamente o rigor no horário ;)

A minha prima e a Paulina (uma guineense vistosa e super simpática) trabalham juntas e partilham uma casa com uma vista encantadora sobre a "Prainha" -  um pequeno recorte de costa, de areia e pedras pretas. Ao redor um morro verdejante. Custa a acreditar que a maior parte do ano tem uma tonalidade amarela. Mas eu cheguei na época das chuvas, e não me arrependo.

Estes três primeiros dias foram marcados essencialmente pelo reconhecimento da área e reuniões. Cruzando a informação recolhida na Embaixada Portuguesa, alguns contactos extraordinários cedidos pela minha amiga e colega São e conversas com a Mariana, a Paulina, a Laura (espanhola muito despachada e descontraída), o Polo (francês, boa pinta e muito porreiro), a Aleida (super inteligente e culta), acho que começo a ter uma coleção de dados e um panorama muito interessante da realidade.

Cabo Verde é um país insular, constituído por cerca de meio milhão de habitantes, distribuídos pelas 10 ilhas. A diáspora é muito relevante, e existem mais caboverdianos a residir fora do que dentro do país. Parece que cerca de 65% da população tem idade inferior a 25 anos, tendo uma estrutura etária marcadamente jovem.
Aqui, tenho a sensação que me posso “apaixonar” inúmeras vezes ao dia. Não me refiro apenas ao facto de serem “bonitos para xuxu” (homens e mulheres)! É também um povo muito afável e disponível. Têm um coração grande, são generosos e têm um espírito cívico interessante.


Fiquei particularmente entusiasmada e impressionada com a  Associação Pilorinhu . Situada na Achada Grande Frente, este projeto nasceu de um espaço público abandonado, que foi ocupado e recuperado por um grupo de Ativistas de várias comunidades, seguidores dos ideais de Amílcar Cabral. 
É absolutamente comovente conhecer o trabalho que estes jovens fazem para contribuir para a melhoria das condições da sua comunidade e, ao fazê-lo, torna-se óbvio porque é que ganharam o prémio “Direitos Humanos Operation Day Work”.

Mas a título de descanso, o que valeu mesmo foi o final da tarde de ontem. O Lourenço, amigo da minha querida São, teve a simpatia e generosidade de me vir buscar e levar à Cidade Velha.
Esta localidade fica já fora da Cidade da Praia. A estrada que nos conduz até lá, atravessa montes, atualmente verdejantes, e o gado ainda muito magro, passeia-se tranquilo, adivinhando-se menos ansioso com o pasto renovado.
 


A Cidade Velha é uma zona histórica importante da ilha,  destaca-se as  ruínas de um antigo e importante edifício e um forte muito bonito, situado em cima de um morro. Cá em baixo, casinhas pitorescas, arranjadas e um pequeno e bonito recorte de praia. É claramente uma zona mais tranquila e turística.
Beneficiei das saudades que o querido Lourenço tem da minha amiga São. Bebi uma água de côco, seguida de uma "noiva" (leia-se, uma cerveja "estupidamente" gelada) e moreia frita. Absolutamente genial!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Portugal - Projecto "Moreira Team" / Figueira da Foz - Jun 2017

Portugal - Florescer / Linda-a-Velha - Jun 2017

Espanha - Camino Santiago / Finisterra - Apr 2017