Cabo Verde - Ilha de São Tiago - Rabelados



Esta semana foi marcada por dias cheios, preenchidos por reuniões de trabalho e visitas a projetos e instituições. 


De facto, pude visitar uma série de bairros e perceber um pouco melhor a Cidade da Praia, que não é muito intuitiva uma vez que tem questões importantes associadas à falta de planeamento urbanístico.
Esta questão faz com que se procure minorar os problemas resultantes. 
Um exemplo disso mesmo foi a criação do Centro de Intervenção Comunitária da Bela Vista, um equipamento que presta apoio a um bairro resultante da construção maciça de casas ilegais.

Outra temática que me tem chamado a atenção e despertado interesse é o papel da Mulher nesta sociedade, marcadamente matriarcal. São absolutamente extraordinárias!
Elas trabalham, cuidam dos filhos, têm níveis de participação política e cívica como nunca vi. Enfim…levam tudo à frente! 
É toda uma outra forma de exercício do feminino. Não é ser “maria-rapaz”, é ser assertiva na procura da autonomia. Fazer por conquistar o poder e o controlo sobre a própria vida. Tem sido realmente um privilégio conhecer muitas destas mulheres :)



Cabo Verde parece ser ainda um país que valoriza e aposta na cultura. Pelo menos a capital oferece atividades culturais e desportivas, tendencialmente gratuitas, muito participadas. É o Mindelac, são lançamentos de livros, música ao vivo em todo o lado, aulas abertas de ginástica ou de dança na rua…querendo, programas não faltam toda a semana!


De resto, tive a possibilidade de fazer uns passeios pela ilha, que é de facto lindíssima, graças à Mariana e ao Lourenço.
Nesta altura do ano, as estradas percorrem paisagens de um verde frondoso, acompanhadas por colinas, vales, achadas e picos. 
Pelo centro da ilha, fui até à praia de São Francisco (uma praia encantadora logo à saída da capital) e conheci a Assomada, a 2ª cidade mais populosa mas muito acolhedora (em 3 horas fiz uma série de amigos :D).
Fui ainda até ao Tarrafal, em que, para além de se poder visitar o antigo campo de concentração criado pelo Estado Novo, em 1936, tem uns recortes de praia de areia branca deliciosos. A água é quente e transparente, com ótima visibilidade, cheia de cardumes de peixes de diferentes espécies (sim, eu fiz snorkeling!)



Tive ainda a sorte de visitar os os Rabelados de Espinho Branco, uma comunidade religiosa que surgiu a partir de grupos que se revoltaram contra as reformas na liturgia da Igreja Católica, isolando-se do resto da sociedade, correndo hoje risco de extinção. Interessantíssimo! Sabino Gomes Rabelarti (sabinorabelarti@gmail.com), verdadeiro relações públicas da comunidade, terá todo o prazer de vos acompanhar. 

Por fim, o caminho de regresso à cidade da Praia, via Calheta de São Miguel, ainda que muito diferente, é igualmente fabuloso! Ao verde, que faz jus ao nome do país (embora apenas num período curto do ano), junta-se o azul do mar, que acompanha toda esta costa de areia preta, mais árida já que exposta aos ventos vindos do Sahara.

Comentários

  1. Maria, lindo texto e que retrata com autenticidade o que dizes. És GRANDE, minha amiga. Espero que a fusão do teu profissionalismo e a tua boa disposição continua a dar frutos e proveitosos. Força !!! e vai dando noticias.
    Dava tudo para estar aí contigo. Um Xi coração São

    ResponderEliminar
  2. Também eu, minha querida!Mas sabes que vai acontecer, não sabes? Beijos com saudades

    ResponderEliminar
  3. Boas descobertas! O que descobriste sobre os jovens?
    beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Portugal - Projecto "Moreira Team" / Figueira da Foz - Jun 2017

Portugal - Florescer / Linda-a-Velha - Jun 2017

Espanha - Camino Santiago / Finisterra - Apr 2017