domingo, 30 de abril de 2017

Espanha - Camino de Santiago - Apr 2017

For a English version please scroll down

Comecei  o Caminho de Santiago faz hoje 10 dias, com uma mistura de sentimentos, associados ao entusiasmo  do  início de uma viagem e à noção de confronto com limites (físicos e psicológicos).
Decidi fazer o Caminho Português Central, a partir de Valença.
Logo no primeiro dia conheci 2 senhoras e um senhor originários da Índia e 4 senhores irlandeses. Eu era a “cassula” do grupo e a única que falava espanhol e rapidamente fui adoptada como tradutora por eles ou por qualquer espanhol com quem precisassem de falar. Nao sei explicar muito bem, mas desenvolveu-se um laço entre todos nós, na partilha daquela caminhada.
A etapa passou por Tui e finalizou em Porriño e é lindíssima, se se tiver o cuidado de seguir os caminhos alternativos propostos.

Nesse dia almocei e jantei com os meus companheiros irlandeses, com quem me senti em casa não só pela simpatia e amizade com que sempre me trataram mas também pelo facto de serem  dotados de um sentido de humor muito refinado. Não dá para não ficar encantada com eles 😊



Nessa noite, de regresso ao albergue, conheci Javier, um madrileno com uma sensibilidade especial e que me convenceu a desviar da minha rota e a acompanhá-lo e ao seu amigo David até Vigo. Parecia que tinha as palavras certas. Explicou-me que era fim-de-semana, os albergues do caminho central estariam muito cheios. Havia um albergue em Vigo que funcionava por donativo e dava uma  festa galega. Por outro lado, estando ali, eu não poderia perder um dos paraísos na terra – as ilhas Ciés.
Arranquei com eles no dia seguinte até Vigo, uma tirada da mesma distância que até Redondela, mas praticamente sempre a subir.

E ainda bem que fui!  Não só pude assistir a grupos de música folclore galega como participar nas suas danças. O David revelou-se um companheirão e divertimo-nos imenso!
No dia seguinte fomos até às ilhas Ciés que sao realmente uma beleza. Não fosse a água fria, diria que estava no Caribe. Ao final do dia separei-me deles e fui até Redondela.



Esperava-me uma das etapas que eu senti como mais duras, a que me levava daqui a Pontevedra.
É engraçado que vamos conhecendo pessoas, nem que seja de passagem e, sem reparar, vão-se ganhando cumplicidades. Assim foi com muita gente, de diferentes nacionalidades, estivesse eu sozinha ou acompanhada, porque nos cruzavamos no caminho ou nos albergues, porque partilhavamos silêncios e experiências.

Em Pontevedra recuperei os meus amigos irlandeses (Tom, Dan, John e Kieran) e até chegar a Santiago nao nos separámos mais.
Fizemos a etapa de Pontevedra a Caldas de Reis e depois de lá  até Faramello (os últimos km sozinha). No dia seguinte seria a chegada a Santiago de Compostela.
A missa das 12h é famosa e muitos peregrinos organizam-se para conseguir chegar a tempo.

Eu apesar de ter condiçoes para o fazer, já que na véspera tinha caminhado mais, apercebi-me que era muito mais importante finalizar aquela experiência com os meus amigos irlandeses. E foi sem uma sombra de dúvida que abdiquei da famosa missa para esperar por eles.
Chegámos cerca das 14h à cidade e pouco mais tarde à catedral.
Encontrámos os nossos amigos indianos, Sanjay, Nandita and Sita, que foram de uma grande simpatia e convidaram-me para celebrar o nosso feito condignamente e jantarmos todos juntos.
Assistimos à missa na catedral, que tem de facto um significado muito especial para qualquer pessoa que faça o caminho, independentemente de ser ou nao católica. Há varios rituais tocantes, como o de saudar a imagen de Santiago.
Depois fomos todos jantar. Sinto que tive o privilégio de conhecer pessoas extraordinárias pela sua simpatia e generosidade. E foi emocionada (muito mais que ao chegar à cidade) que me despedi de todos eles, decidida a continuar caminho até Finisterra.



English versión

I started the Camino de Santiago 10 days ago, with a mixture of feelings, associated with the enthusiasm of the beginning of a journey and the notion of confrontation with limits (physical and psychological).
I decided to do the Central Portuguese Way, from Valença.
The first day I met two ladies and one gentleman from India and four Irish gentlemen. I was the "mascot" of the group and the only one who was able to speak Spanish.  Quickly I was adopted as a translator by them and by any Spanish person with whom they needed to speak. I can not explain very well, but a bond has developed between all of us in sharing that journey.
The stage passed through Tui and finished in Porriño and is beautiful, if one is careful to follow the alternative paths proposed.

That day I had lunch and dinner with my Irish companions, with whom I felt at home not only because of the friendliness and friendship with which they have always treated me but also because they are endowed with a very refined sense of humor. It isn’t possible not to feel enchanted by them 😁

That night, on my way back to the lodge, I met Javier, a Madrilenian guy with a special sensitivity and who persuaded me to deviate from my route and to accompany him and his friend David to Vigo. He seemed to have the right words. He explained to me that it was the weekend and that the hostels on the central road would be too full. There was a hostel in Vigo that gave a Galician party. On the other hand, being there, I could not miss one of the paradises on earth - the Ciés Islands.
I started with them the next day to Vigo, a distance as far as Redondela, but it was climbing almost all the time.

And I'm glad I went! Not only was I able to watch Galician folk music groups but also I had the opportunity of participated in their dances. David was a great companion and we had a lot of fun!
The next day we went to the Ciés Islands which are really beautiful. If it was not for the cold water, I'd say it was in the Caribbean. At the end of the day we parted company and I went to Redondela.

The next stage of the Camino turned out to be one of  the most physically demanding, which led me from Redondela to Pontevedra.
It's funny that we get to know people, even by casual encounter, and without realizing it we become connected. So it happened with many people of different nationalities, whether I was alone or accompanied, because our paths unintentionally crossed or we were staying in the same the hostels. We shared silences and experiences.

In Pontevedra I recovered my Irish friends (Tom, Dan, John and Kieran) and until arriving at Santiago we did not separate again.
We travelled the stage from Pontevedra to Caldas de Reis and then from there to Faramello (the last kilometers alone). The next day would be the arrival in Santiago de Compostela.
The 12 o'clock mass is the pilgrims mass where your country is mentioned from the altar.

Although I had the opportunity to go to the mass (since I had walked more the day before), I realized that it was much more important to finish that experience with my Irish friends. And it was without a shadow of a doubt that I gave up the famous mass to wait for them.
We arrived at about 2 pm to the city and a little later to the cathedral.
We met our Indian friends, Sanjay, Nandita and Sita, who were very kind and invited me to celebrate our achievement and to have dinner together.
We attended mass in the cathedral, which really has a very special meaning for anyone who makes the journey, regardless of whether or not they are Catholic. There are several touching rituals, such as saluting the image of Santiago.

Afterwards we went for dinner. I feel that I have had the privilege of meeting extraordinary people for their sympathy and generosity.  I was moved (much more than when I arrived in the city) when I said goodbye to them all, I was determined to continue on my way to Finisterra (reviewed by Brendan Manson - thank you so much!!).

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Portugal - Around Minho - Apr 2017

For a English version please scroll down
 
Há mais de 2 anos que penso em fazer o Caminho de Santiago a pé. De um dia para o outro  a concretização deste percurso tornou-se urgente.
Há cerca de 1 semana e pouco, comecei por falar sobre a minha ideia a algumas pessoas que sabia poderem ter interesse em acompanhar-me. Não me estava a apetecer ir sozinha... 
Simultaneamente, lembrei-me de uma querida amiga do Porto que não via faz muito tempo, a Joana Rosas. Liguei-lhe para saber dela e falei-lhe da possibilidade de a visitar, a que ela respondeu: "Maria, então vem a 19 de Abril, que eu vou para Vila Nova de Cerveira".
 
E assim foi! Quem decidiu quando é que eu daria início a esta aventura foi, literalmente, a minha amiga 😊
 
Como até à data ninguém podia, resolvi fazê-lo sozinha, consolando-me com a ideia de que iria conhecer gente ao longo do percurso.
Levantei a Carta do Peregrino, aconselhei-me sobre percursos e material a levar junto da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago e preparei tudo.

Ontem foi entusiasmada que saí de Lisboa, num autocarro que demoraria 6h a deixar-me numa das terras mais bonitas que conheço - Vila Nova de Cerveira.
A minha amiga estava à minha espera e recebeu-me com um forte abraço.

Levou-me até sua casa, mais precisamente a Quinta da Motta, situada em Gourém. E que linda que é! Está localizada num sítio privilegiado com uma vista de cortar a respiração, junto ao Rio Minho. Dali avista-se a ilha dos Amores, a ilha da Boega, Espanha e Caminha.

Tem ainda um jardim maravilhoso, repleto de árvores de fruto e arbustos com  flores lindas como camélias, roseiras, azálias, rododendros, glicínias e outras. Ao centro um antiga casa de lavoura devidamente adaptada aos dias de hoje e do lado esquerdo, uma piscina. Com alguma tristeza soube que a aquela herdade está à venda...

Tivemos um final de tarde fantástico, partilhámos conversas e um jantar delicioso, acompanhadas de uma garrafinha de vinho.

Hoje acordámos e a Joana levou-me a dar um passeio maravilhoso. De Gourém fomos até Seixas, depois até à Foz do Minho, Moledo, Vilar de Mouros, Caminha, Hotel da Boega e regresso a Vila Nova de Cerveira. Que bonito!! Que saudades que eu tinha do Minho..
 

Ao final da tarde a minha amiga levou-me até Valença e deixou-me no Albergue de S. Teotonio. 

Assumo que inicialmente senti um frio na barriga. Ia começar a minha jornada... E se eu me perdesse? E se me magoasse? E se fosse demasiado cansativo? E se me sentisse demasiado só?
 
Fui dar uma volta dentro das muralhas   de onde se tem uma vista privilegiada para a margem espanhola do rio Minho. É muito bonito...Respirei fundo e tranquilizei. Vai correr bem 😊

English version

For more than 2 years I have been thinking of doing the Camino de Santiago, by foot. Suddenly, it became urgent to realize this route.About a week or so ago, I started talking about my idea to some people that I knew they might be interested in joining it. I did not feel like going alone ...

Simultaneously, I remembered a dear friend from Porto who I had not seen for a long time, Joana Rosas. I called and I told her about the possibility of visiting her.  She replied: "Maria, so do it on April 19! I'm going to Vila Nova de Cerveira."


And so it was! Whoever decided when I would start this adventure was literally my friend 😊


Since no one could join me on that date, I decided to do it myself. I would meet people along the way.I contacted  the Association of Friends of the Camino of Santiago, I picked up the Letter of the Peregrine and I asked about the routes and material to take with  me.


Yesterday I was excited when I left Lisbon, on a bus that would take 6 hours to leave me in one of the most glamorous towns in Portugal  - Vila Nova de Cerveira.My friend Joana was waiting for me and she welcomed me with a big hug.We went to her house, more precisely "Quinta da Motta", located in Gourém. It is so beautiful!


It is located in a privileged place with a incredible view, next to the Minho River.
From there you can see the island of Amores, the island of Boega, Spain and Caminha (another town).The place also has a wonderful garden, full of fruit trees and shrubs with beautiful flowers like camellias, rosebushes, azaleas, rhododendrons, wisteria and others. In the center an old tillage house  duly adapted to the present days and on the left side, a swimming pool. With some sadness, I was informed that the property is for sale ...We had a fantastic afternoon! We shared conversations, we ate a delicious dinner and we drank a nice bottle of wine.Today we woke up and Joana took me for a wonderful walk. From Gourém we went to Seixas, then to Foz do Minho, Moledo, Vilar de Mouros, Caminha, Hotel da Boega and we returned to Vila Nova de Cerveira. Marvelous!!

At the end of the afternoon my friend took me to Valença and left me at the Hostel of S. Teotonio.I assume that initially I felt anxious. What if I  lose my way? What if I get hurt? What if it become too tired? What if I feel too lonely?

I went for a walk inside the walls from where we have a privileged view for the Spanish bank of the river Minho. It's very beautiful ... I took a deep breath and I calmed down. It's going to be ok 😊

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Portugal - Zona Centro (Montemor-o-Velho, Figueira da Foz, Coimbra) / Páscoa em Família - Apr 2017



For a English Version please scroll down

Grande parte da família do lado da minha mãe é da zona centro do país. Tive a sorte de, desde pequena, passar férias com tias e tios, primas e primos.
Com a idade, a regularidade e certeza destes encontros foi-se espaçando. Este fim-de-semana de Páscoa correspondeu a mais um destes encontros. 
Talvez porque já lá não ia há alguns meses, dei por mim a apreciar a beleza que é também esta parte de Portugal.



 
Arranquei 5ª feira até à casa da minha mãe, uma quinta muito bonita em Presalves (aldeia a cerca de 10 km de Montemor-o-Velho). Chama-se Quinta do Outeiro porque fica situada numa pequena elevação tendo por cenário arbustos e árvores de fruto, floresta e o Mondego.

Ao longo destes dias, em jeito de treino para o Caminho de Santiago, fiz algumas caminhadas.
Eu não percebo nada de botânica mas fiquei encantada! Estamos em plena Primavera e os campos estão repletos de papoilas, flores amarelas, lilazes e brancas… As cerejeiras estão em flor e as glicínias libertam um aroma extraordinário que, para pânico da minha sobrinha Madalena, atraem todo o tipo de insectos.

É um fervilhar de vida! Pássaros, rãs, insectos, ovelhas, cabritos, cães…fechar os olhos e tentar identificá-los vira um jogo 😊

Dei um salto à Figueira da Foz, que fica a cerca de 25km de casa.
A cidade onde nasceu a minha mãe é pequena e encantadora. De quem vem da A14 podemos ver as salinas que anunciam a sua entrada.
Esta estância balnear oferece um grande número de praias, todas elas de água bem fria mas muito bonitas. Mesmo a praia mais urbana é selvagem! Tem um areal gigante onde foram construídos passadiços de madeira que convidam as pessoas a caminhadas, corridas ou passeios de bicicleta. Ao longe a Serra da Nossa Senhora da Boa Viagem


Entretanto, percebi que abriu a época dos percebes, e no passeio que dei por aqui acabei por comprar 1 kilinho no pontão, directamente aos pescadores, que serviu de entrada e divertimento ao almoço. Foi a primeira vez que a Madalena provou aquela espécie de crustáceo e rimo-nos à gargalhada com o espirrar da água que com frequência acontece quando fazemos por os comer.

Por estes dias dei também um salto a Coimbra (a cerca de 50km), cidade universitária que dispensa apresentações. Oferece, cultura e história, óptima comida (eu adoro os doces conventuais!), paisagens lindíssimas e muito boa gente. Fui até lá porque é onde se encontrava o meu Tio Fernando e eu queria muito estar com ele. Foi bom aquele bocadinho😍

Estive ainda em Montemor-o-Velho, uma vila muito bonita, famosa (entre outras coisas) pelo seu castelo. Um dos mais bem conservados do país! Daqui avistam-se os campos a perder de vista, sobretudo milho ou arroz, conforme a altura do ano.
Vim a um "almocinho" de família (para mim alargada), que começou pelas 14h e terminou a pelas 23h. Eramos cerca de 105 pessoas (julgo que um pouco mais) e juntou 4 gerações! Em todos os aspectos, gigante! 



English version

Much of the family on my mother's side is from the central part of the country. I was fortunate enough to have had vacations with aunts, uncles, and cousins since I was a child.
With age, the regularity and certainty of these encounters was spaced out.
This Easter weekend corresponded to one of these meetings.

Perhaps because I had not been there for some months, I found myself appreciating the beauty that also this part of Portugal has.

On Thursday, I went to my mother's house, a very pretty farm in Presalves (village about 10 km from Montemor-o-Velho). The farm is called “Quinta do Outeiro” because it is situated on a small elevation with shrubs and fruit trees, forest and Mondego.

During these days, I did some hiking as a way of training for the Path of Santiago.
I do not understand anything about botany but I was delighted! 
We are in Spring and the fields are full of poppies and yellow, lilac and white flowers ... The cherry trees are in bloom and the wisterias give off an extraordinary aroma that attracts all kinds of insects (for the panic of my niece Madalena!).

It's a life buzz! Birds, frogs, insects, sheep, goatlings, dogs ... If you close your eyes and try to identify them, it just turns a game 😊

I took a ride to Figueira da Foz, which is about 25km from home.
The town, where my mother was born, is small and charming. From those who come from the highway (A14), you can see the salines that announce the entrance in the city.
It offers a large number of beaches, all of them with very cool water but they are very beautiful. Even the most urban beach is wild! There is a giant sand beach where wooden walkways were built. A lot of people go there for hiking, running or cycling. At the distance it is possible to see the Mountain of “Nossa Senhora da Boa Viagem” ...

Meanwhile, I realized that it opened the period of the barnacles. I went for a walk and I bought a kilo on the pontoon, directly to the fishermen. The barnacles served as an entrance and fun for lunch. It was the first time that the Madalena had tasted that kind of crustacean, and we laughed out loud at the splashing water that often happens when we try to eat them.

For these days I also went to Coimbra (about 50km), a university city that does not need presentations. It offers, culture and history, great food (I love the convent desserts!), beautiful landscapes and very very good people. I went there because that's where my uncle Fernando was and I really wanted to see him. Even for a short time, it was very nice to be with him 😍

I was also in Montemor-o-Velho, a very beautiful village, famous (among other things) for its castle. One of the best preserved in the country! From here you can see the fields for miles, especially with corn or rice, depending on the time of the year. I came here to a family lunch, which began at 2pm and ended at 11pm. We were about 105 people (I think a little more) and joined 4 generations! In every way, Giant!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Portugal - "Amigos P'ra Vida" / "Associação Candeia" - Social Project - Apr 2017


For a English Version please scroll down

Abril é o mês internacional da prevenção dos maus-tratos na infância, um tema delicado mas que, na minha opinião, é importante que seja discutido por todos.

Julgo que há alguma tendência para deixarmos este tipo de assuntos para profissionais e instituições especializadas na área, como se o nosso papel fosse apenas o de não infligir ou procurar impedir maus-tratos às crianças que são “nossas” (sejam elas filhos, familiares, amigos ou conhecidos).
Queria dar-vos uma boa notícia! É de facto possível ter um papel mais activo nesta área, ser mais participativo enquanto cidadão comum.

Faz pouco tempo recebi um e-mail da minha prima Concha a divulgar um projecto chamado "Amigos p'ra Vida".




A sua missão é arranjar famílias ou pessoas que tenham disponibilidade para estabelecer uma relação privilegiada com crianças ou jovens institucionalizados. Dito de outra forma, que se disponham a ser amigos muito especiais, “p’ra vida”!

Já tinha ouvido falar num projecto semelhante por parte de uma ONG e assumo que achei graça ao conceito pelo que resolvi pesquisar do que se tratava.

Contactei a Sofia Marques, uma das fundadoras, que me explicou que este projecto nasceu a partir de animadores voluntários da Associação Candeia, uma instituição de solidariedade social que tem por missão a animação de crianças e jovens institucionalizados.

Alguns destes animadores criaram laços fortes com os participantes, em colónias de férias e outras actividades da associação. Perceberam a importância que estes laços tinham para estas crianças e o enriquecedor que era para eles próprios e decidiram dar continuidade a essas relações estabelecidas, fora daquele contexto. Estas crianças e jovens precisavam também de vivências em ambiente familiar. 


Começaram a organizar-se e, apesar de se terem constituído oficialmente apenas em Dezembro de 2015, vieram apenas formalizar o que já faziam há muitos anos na Candeia (criada em 1991). Actualmente têm como parceiros cerca de 20 instituições na Grande Lisboa, com quem articulam regularmente. Apostam num maior envolvimento da sociedade civil (de preferência desta área geográfica), para poderem abranger o maior número de crianças/jovens possível.

Deixo-vos algumas informações que me parecem importantes para os mais interessados.
- Existem várias formas de apoiar estas crianças/jovens, dependendo das suas necessidades: apoio aos fins-de-semana e férias, acolhimento temporário, apoio escolar na instituição, fazendo apadrinhamento civil, apoio junto da família biológica (roupa, brinquedos, produtos, vacinas, assessoria, entre outros).
- Qualquer família ou pessoa maior de idade está em condições de poder fazer parte deste projecto. Para tal basta ir ao site “Amigos P’ra Vida”, preencher e enviar o questionário disponível.
- Num curto espaço de tempo, a equipa do projecto entra em contacto e marca uma reunião para prestar todas as informações e esclarecimentos que os potenciais voluntários pretendam.
- É feito um processo de selecção e de matching no qual estão envolvidas a equipa do projecto e a equipa da instituição que for responsável pelo acompanhamento da criança em causa.
- O que se pretende é o estabelecimento de uma relação, mas a aproximação é progressiva .
- As famílias são acompanhadas ao longo de toda a relação com a criança/jovem que estão a apoiar, pela equipa do projecto

Como uma verdadeira amizade, que se pretende duradoura, ninguém espera que a mesma aconteça de um dia para o outro. O que é imediato é o desejo que ela ocorra.
Boa ideia, não? Embora lá então!

English version

April is the international month for the prevention of child maltreatment. This is a delicate topic but, in my opinion, it is important to be discussed by all of us.

I think there is a tendency to leave this kind of issues to professionals and specialized institutions in the area, as if our role were simply not to inflict or try to prevent maltreatment of children who are "ours" (our children, family, friends or children that we know).

Well, I want to give you some good news! It is indeed possible to have a more active role in this area, to be more participant as a citizen in Portugal.

Short time ago I received an email from my cousin Concha informing about a project called "Friends for Life"  - "Amigos p'ra Vida".

Its mission is to arrange families or people who are willing to establish a privileged relationship with institutionalized children or young people. In other words, people who want to become very special friends, "friends for life"!

I had heard about a similar project from an NGO and I assume that I liked the concept so I decided to research what it was about.

I contacted Sofia Marques, one of the founders, who explained to me that this project was born from volunteer animators from the Candeia Association - Associação Candeia, a social solidarity institution whose mission is the animation of institutionalized children and young people.

Some of these animators have built strong ties with participants in holiday colleges and other association activities. They realized the importance these ties had for these kids and the enrichment that was for themselves. They decided to continue these established relationships outside of that context. These kids  were also needed experiences in a family environment.

They began to organize themselves, and although they were only officially constituted in December 2015, they just formalized what they had already done for many years in Candeia (created in 1991).
At this moment, they have about 20 institutions as partners, in Greater Lisbon, with whom they articulate regularly. They bet on the involvement of civil society (preferably in this geographical area) in order to cover as many kids as possible.

For the most interested, I leave you some information that I find important.
- There are several ways to support these kids,
depending on their needs: weekends and holidays, temporary shelter, school support at the institution, making civil patronage, giving support to the biological family (clothing, toys, products, vaccines, advice, among others).
- Any family or adult person is able to be part of this project. In order to do it, you simply go to the "Amigos P'ra Vida" site, fill out and send the available questionnaire.
- In a short time, the project team contacts and marks a meeting to provide all the information and clarifications that potential volunteers need.
- A selection and matching process is carried out by the project team and the team of the institution responsible for monitoring a specific kid.
- What is intended is the establishment of a relationship, but the approach is progressive.
- Families are accompanied by the project team, throughout the relationship with the kid they are supporting, 

As a true friendship, which is intended to last, no one expects it to happen from one day to the other. What is immediate is the desire that the friendship comes to light.
Good idea, right? So, Let’s do it!