domingo, 8 de janeiro de 2017

Brasil - Rio de Janeiro / em despedida - Março 2016



Estes meus últimos dias no Rio têm sido especiais! A possibilidade de viver intensamente a cidade, na companhia de amigos locais, muda de facto a perspectiva. Aqui o ambiente mantém-se agitado, consequência da crise política.
No dia de manifestação pró Governo, combinei jantar com a Kiki (amiga da minha irmã Marta) e, por uma razão prática, fiquei uns dias em casa dela. A Kiki é uma querida e tem uma adoração pela minha mana. Tratou-me literalmente como se fosse ela e levou-me aos sítios onde costumam ir comer o delicioso pastel de carne, beber o suco de tangerina, beber chopps, enfim… também vale a mesmo a pena sair à noite em Leblon 😉 É uma zona sofisticada de restaurantes e bares, frequentada sobretudo por cariocas com mais “grana” e até por isso tem graça. Com a Kiki estive ótima e fico-lhe muito grata pelo tratamento que me deu 😊


Sábado foi dia da Festa do Benfica também ali na área. Fui entrevistada pela SIC tendo resultado numa peça que alguns tiveram a oportunidade de ver.
Deixem-me que vos diga que o Brasil tem me feito sentir em carne viva. Os ânimos estão muito exaltados e o país dramaticamente dividido. Sente-se a angústia das pessoas, a irritação, a incapacidade de processar tantas e novas informações e há um grito silencioso que se dá frequentemente dentro de mim a pedir uma pausa. A entrevista que me fizeram na praia foi cortada e, portanto, ficou descontextualizada. A que me referi foi a  tanta emoção que se sente e à evidente perturbação da capacidade de pensar, de uma forma geral.
E não, não estou a exagerar. Todos os dias há manifestações pró e contra o Governo, “panelões”, discussões constantes, até começaram a surgir alguns riscos de confrontos entre pessoas e chegam-se a queimar bandeiras do Brasil!
Aquilo que mencionei na entrevista cortada é à demasiada emoção que se sente e um apelo a alguma racionalidade. Que se prenda quem tiver que se prender mas que se faça com base nas instituições certas, através da justiça. E o que noto, que será da responsabilidade de todos (se calhar a começar pelo Lula) é a passagem de bestial a besta, de Deus a Diabo! Um político que é visto assim, é uma pessoa idealizada e isso é raro, quase bizarro num meio político (pelo menos em Portugal)!
Eleito por tantos anos, nem pode ser um Santo que só fez coisas boas, nem um Diabo que fez só coisas más. Mas cá está, quando faço uma análise psicológica da coisa e reparo nessa evidente clivagem (tanto mais preocupante já que tem vindo a conduzir a uma crescente agressividade), retirada do contexto, sou percepcionada como uma defensora do PT, quando sou apenas uma estrangeira que observa com alguma distância o que se passa. Não defendo coisa nenhuma, nem caio na facilidade de tomar a posição contrária porque penso e sinto o assunto como muito mais complexo do que é comunicado.
Quero ainda esclarecer que só comecei a virar “caipirinhas” e “panteras” depois da entrevista, e que fiz muitos amigos entre a comunidade Benfiquista!

Mais tarde o Leandro foi-me buscar e fomos ter com o Paulo Henrique e uns amigos a uma roda de samba, junto ao edifício da bolsa. E que maravilha! Forma-se uma roda de músicos na rua que tocam sambas populares, rodeados de pessoas que sorridentes, vibram e dançam com a sua actuação. E eu não sou diferente e acabo emocionada, novamente, com esta cidade arrebatadora e de contrastes, dançando e cantando como posso os clássicos de sempre do Chico Buarque. 


Para finalizar ontem fui passar o dia à Prainha, a praia mais famosa, já depois da Barra. Uma praia lindíssima, que se situa num pequeno recorte de mar, circunscrita por morros de vegetação tropical frondosa...estou numa reserva natural e foi lá que surfei! Foi quase uma sorte não ter lá ido antes, porque não teria visto a cidade. Que beleza!
E o Brasil é tudo isto: a natureza, as pessoas, o reboliço da política e do dia-a-dia, a música e muito, muito afecto…

(NOTA: Esta crónica é relativa a uma viagem realizada em Março de 2016. Corresponde ao que vivi e senti à data)

Sem comentários:

Enviar um comentário