sexta-feira, 24 de março de 2017

Thailand - Goodbye Koh Lanta - Mar 2017



For a English version please scroll down

Entrei em movimento de despedida de Koh Lanta há poucos dias.
A época baixa está a chegar, acompanhada pela chuva.
Como o turismo diminui, algum do pessoal do hostel é mandado embora. Foi o caso do Nor e do Zam Oo, os dois birmaneses que conheci em primeiro lugar e com quem costumava estar todas as noites no bar, habitualmente na companhia de “Papa” Jack.


Assumo que para mim as separações não são processos fáceis. Nunca foram. Mas não pensei que me custasse tanto. Como eles, soube na véspera que se iam embora e fiquei um bocado desorientada. Estranhei-me neste sentimento de tristeza pela sua partida, tanto mais porque eu própria vou regressar a casa.
Quando viajamos sozinhos, estamos sempre a conhecer gente e a separar-nos. Os viajantes vivem e experienciam mas têm que fazer um permanente exercício de desapego. Não me custa tanto dizer-lhes adeus porque tenho sempre a ideia que, mais tarde ou mais cedo, num outro lugar, volto a encontrar-me com eles. 


Mas com pessoas locais é outra coisa! Geralmente não têm as mesmas condições ou interesse por viajar e sei que a probabilidade de voltarmos a estar juntos é mais reduzida.
Para além disso, habitualmente sou eu que me vou embora e, desta vez, sem eu estar à espera, Nor e Zam Oo partiam primeiro que eu.
Por um período curto de tempo senti-me angustiada, invadida por um sentimento de abandono… Passou no momento em que assumi a minha tristeza perante mim própria e perante os meus amigos e me apercebi da reciprocidade desse sentimento.

Interessante porque ao contrário do que muita gente defende, apesar de não ser fácil, eu (tal como as crianças) preciso de dizer adeus. Saber com antecedência do processo de separação que vai ocorrer e antecipá-lo dentro de mim. E apesar de ser uma experiência inicialmente dolorosa, o facto de a ter partilhado (envergonhada inicialmente, confesso), fez com que a transformasse em algo muito bonito, fácil de guardar.

Por sugestão minha, organizámos uma festa de despedida. Fui com a Anne às compras e preparámos comida para o pessoal todo. Elara e “Papa” Jack trouxeram a cerveja e o whisky e Pin e Pon trouxeram também algumas iguarias a provar ao jantar.
Anne e Pong, que estavam também a pensar ir embora, decidiram ficar mais uns dias 😊
Achei-os muito queridos, porque tenho a ideia que se aperceberam do difícil que é separar-me e da minha sentida amizade. Desde então que faço praticamente todas as refeições com eles.

E de uma irritação que sinto há anos, por não querer sofrer com esta minha vulnerabilidade, surgiu uma aceitação. Sou assim. Ligo-me facilmente às pessoas e sofro quando me separo delas. Às vezes gostava de ser diferente, mas é como sou e acabo por ficar grata. Mal ou bem, vivo intensamente a vida 😉

Entretanto, acrescentei às minhas rotinas diárias o snorkeling. Descobri um spot mesmo colado ao hostel e, na maré baixa, contemplo o fundo do mar, com os seus cardumes de peixes de várias cores e os seus corais de tom dourado.

English version

I started to say goodbye to Koh Lanta few days ago.
Low season is coming, accompanied by rain.
As tourism decreases, some of the hostel's staff are sent away. This was the case with Nor and Zam Oo, the two Burmese I met first and with whom I used to be every night in the bar, usually in the company of "Papa" Jack.

I assume that separations are not an easy process for me. Never were. But I didn’t think it would cost me so much. Like them, I knew the day before that they were leaving and I was a little disoriented. I questioned this feeling of sadness about their departure, all the more so because I'm about to go home myself.

When we travel alone, we are always meeting people and saying goodbye. Travellers live and experience life but they have to be in continuous state of detachment. It is not so difficult for me to say goodbye to travellers because I always have the idea that, at another time, in another place, we will meet again.

But with local people it's something else! Usually they do not have the same conditions or interest to travel and I know that the chances of getting back together are less.
Besides, it's usually me who leaves, and this time, surprisingly, it was Nor and Zam Oo who left first.

For a short period of time I felt distressed, overwhelmed by a feeling of abandonment ... It passed in the moment I verbalized my sadness for myself and my friends and I realized they felt the same.

Interesting because, contrary to what many people say, although it is not easy, I (like the children) need to say goodbye. Knowing in advance the process of separation that will occur and anticipating it inside of me. And although it was an initially painful experience, the fact that I shared it (ashamed at first, I confess), made it very beautiful and lasting.

At my suggestion, we organized a farewell party. I went with Anne to the grocery store and we prepared food for the whole staff. Elara and “Papa” Jack brought the beer and the whiskey and Pin and Pon also brought some delicacies to try at dinner.
Anne and Pong, who were also planning to leave, decided to stay a few more days 😊


I found them very sweet, because I have the idea that they realized how difficult it is for me to separate from my heartfelt friendship. Since then I have practically every meal with them.

And from an anger that I have felt for years, not wanting to feel vulnerable, an acceptance has arisen. I'm like this. I easily bond with people and suffer when I part from them. Sometimes I would like to be different, but that's how I am and I end up being grateful. For good or bad, I live life intensely 😉

Meanwhile, I added the snorkeling to my daily routine. I discovered a spot even near the hostel and, at low tide, I can explore the sea bed, with its shoals of fish of various colors and the gold-colored corals (reviewed by Robin Henry Gibson - Thank you so much!!)

Sem comentários:

Enviar um comentário